“Hindemburg Melão Jr. é considerado uma das pessoas mais inteligentes do Brasil, destaca-se por sua incomparável capacidade de raciocínio lógico e pensamento abstrato, em outras palavras por sua excelência no que há de mais evoluído no pensamento humano.” (Dra. Silésia Maria Veneroso Delphino Tosi, especialista em testes de inteligência, com Doutorado em Neuropsicologia pela USP)  

“Tudo que é tocado pela intelectualidade de Hindemburg Melão Jr. se transforma em riqueza de conhecimentos. Dotado de uma capacidade cognitiva incrível, que lhe permitiu tornar-se profundo conhecedor de variados assuntos, e de um raciocínio brilhante que o capacita a contestar conceitos e lançar novas idéias sobre estes assuntos.” (Coronel José Paulo do Prado Dieguez, professor de Cálculo Numérico no Instituto Militar de Engenharia e autor de livros acadêmicos)

“Não há intelectual no Brasil ou no mundo que produza conteúdo de profundidade e originalidade similar à obra de Melão Jr. Além disso, Melão Jr. assume a posição simultânea de inovador e divulgador das idéias – em ciência, são raros os pesquisadores que fazem inovações relevantes, como Newton e Einstein; da mesma forma, são raros os que conseguem divulgar estas idéias de forma didática e cativante para o público leigo, muitas vezes influenciando os leigos a deixarem de sê-lo, como Carl Sagan. Melão Jr. assume simultaneamente os dois papéis em seus artigos, inovando e divulgando de forma brilhante em variadas áreas.” (João Antonio Locks Justi, finalista em Olimpíada Brasileira da Matemática, especialista em Direito Tributário e autor de inovações em Matemática, Ciência da Computação e Criptografia)

“Conheço Hindemburg Melão Jr. desde 2002, quando fui contatado com relação à Sigma Society, de que é fundador. Desde então, tenho tido o privilégio de conhecê-lo cada vez melhor e, ao mesmo tempo, de sempre me impressionar com o alcance de sua genialidade, criatividade, simplicidade, integridade e seu refinado senso de humor. Melão é um polímata altamente capacitado e criativo que se dedica profundamente e se apropria de qualquer assunto que lhe interessa. Suas qualidades tornam-no capaz de desempenhar qualquer função de alto nível ou projeto a que se dedique com o máximo resultado possível.” (Prof. Dr. Renato P. dos Santos, pesquisador e professor universitário, referee em várias revistas científicas internacionais, possui doutorado em Física e dois pós-doutorados em Inteligência Artificial, um na Alemanha e outro na Áustria, orientador de estudantes de Doutorado).

  

Conheça outras opiniões sobre Hindemburg Melão Jr. aqui.
 
 artigo 2022

RESUMO BIOGRÁFICO-CURRICULAR

 
 
Hindemburg Melão Jr. nasceu na Zona Leste de São Paulo, onde passou sua infância e adolescência. Seu pai ficou órfão muito cedo e começou a trabalhar enquanto ainda era criança, tendo inclusive deixado os estudos na segunda série do primário para ajudar em casa. Chegou a trabalhar como engraxate, ajudante de mecânico, ajudante numa fábrica de vidro e caminhoneiro; sua mãe era neta de índios e foi professora de Ensino Fundamental na rede pública estadual. 

Hindemburg teve desenvolvimento precoce e, de acordo com sua mãe e sua tia, aos 6 meses de idade já falava fluentemente. Também teve um desenvolvimento físico um pouco mais rápido que o normal, começou a caminhar com 371 dias, no aniversário de seu tio Luis Carlos Barbosa. Com dois anos de idade, Hindemburg feriu a gengiva e teve uma hemorragia que durou vários dias, sendo diagnosticado como hemofílico. Isso teve um profundo impacto sobre sua vida, pois sua mãe não o deixava sair de casa para brincar, já que poderia sangrar até a morte se sofresse qualquer ferimento leve. Anos mais tarde, quando perdeu seus primeiros dentes decíduos, sua mãe também ficou desesperada, com medo de que pudesse voltar a sangrar ostensivamente, mas isso não ocorreu. Por isso o diagnóstico inicial foi contestado, pois hemofilia seria incurável, mas no seu caso, aparentemente houve uma “remissão espontânea” ou talvez tenha sido erro de diagnóstico. A reanálise do caso levou à hipótese de que poderia ser uma deficiência plaquetária com sintomas semelhantes aos da hemofilia. 

Embora tenha crescido num ambiente sem abundância financeira nem cultural, apresentou diversos talentos precoces e um comportamento muito diferente do das outras crianças, a tal ponto que, aos 3 anos de idade, seus pais o levaram para ser examinado psicologicamente e constatou-se que tinha a idade mental de 9 anos. Isso corresponde a um QI em torno de 300 na escala Cattell, equivalente a 200 na escala Stanford-Binet. Para efeito de comparação, o QI médio da população mundial é 100 e o QI médio no Brasil é 87. De acordo com a classificação originalmente proposta pelo Dr. Lewis Terman, o QI necessário para ser considerado “superdotado” é 140 e para ser considerado “gênio” é 180. De acordo com Garth Zietsman (artigo disponível aqui) o QI médio dos engenheiros do MIT é 144 e a média dos ganhadores do prêmio Nobel em áreas científicas é 155. 
 
A partir dos 5 anos, Hindemburg já apresentava profunda curiosidade sobre temas científicos. Aos 9 anos deduziu alguns dos princípios da Geometria Fractal e aos 13, antes de aprender algo sobre logaritmos, desenvolveu um método para calcular logaritmos diferente do de Napier. 


No início do século XX, estudos desenvolvidos nos Estados Unidos pela Dra. Leta Hollingworth mostraram que crianças com QI acima de 160 e principalmente acima de 180 tendem a abandonar a escola, já que as tarefas escolares não oferecem desafios estimulantes, o ritmo de ensino não acompanha o ritmo de aprendizado destas crianças, não se valoriza a criatividade nem o pensamento crítico. O ensino convencional se resume a decorar e repetir informações. Esse problema é especialmente grave entre crianças pobres. Thomas Edison, Michael Faraday, Steve Jobs são alguns exemplos de crianças profundamente talentosas, provenientes de famílias com poucos recursos, que abandonaram precocemente a vida acadêmica. Nestes três casos, apesar de terem enfrentado numerosas adversidades, conquistaram sucesso profissional, mas são exceções. A grande maioria destas crianças acaba como Christopher Michael Langan (QI 195, segurança em boate) ou Rick Rosner (QI 193, modelo nudista), em subempregos, resultando num inestimável prejuízo para o mundo, já que poderiam contribuir para a cura de numerosas doenças e solucionar uma larga variedade de problemas científicos, sociais, tecnológicos, educacionais etc. 


Para enfrentar esse catastrófico problema de evasão escolar, que implicava justamente a perda das mentes mais brilhantes do país, Dra. Hollingworth fundou uma instituição para identificar crianças com este perfil e oferecer cursos especiais a elas, respeitando o ritmo individual de aprendizado, incentivando a produção criativa e a análise crítica. Até hoje The Hollingworth Center for Highly Gifted Children atende anualmente centenas de crianças talentosas e as orienta para a carreira acadêmica, ou para a área na qual apresentam maior vocação, assegurando que se tornem cidadãos produtivos e contribuam para o bem-estar da comunidade. 


De acordo com Dra. Eunice Maria Lima Soriano do Alencar, em 1978 havia nos Estados Unidos 1200 instituições destinadas ao ensino especial para crianças talentosas. Em Israel, no Reino Unido, na Alemanha, na França, na Austrália e em praticamente todos os países desenvolvidos, também há numerosos institutos com propostas semelhantes. Um emitente educador australiano declarou que considerava muito importante o investimento na educação especial de portadores de altas habilidades porque esse é o recurso natural mais valioso de uma nação. De fato, nos anos 1970, a China, a Índia e a Tailândia iniciaram um vigoroso processo de incentivo e apoio a crianças e jovens talentosos, com massivo investimento na educação especial. A Tailândia não deu continuidade ao projeto, mas a China e a Índia logo começaram a colher os excelentes frutos desse empreendimento, cujos resultados, cerca de 15 anos depois, começaram a se refletir num acelerado desenvolvimento científico, tecnológico, cultural, econômico e social, elevando estes países à condição de principais potências mundiais e com mais rápida ascensão nos últimos 30 anos, melhorando substancialmente a qualidade de vida de todos os seus cidadãos. Lamentavelmente não existe nada similar no Brasil. 


A vida escolar de Hindemburg não foi muito diferente do esperado, com base nos estudos da Dra. Hollingworth, sobretudo por viver no Brasil, onde o descaso com a Educação Básica é aviltante, e muito pior ainda com a Educação Especial, que praticamente não existe no país. Hindemburg abandonou os estudos várias vezes, desde a 5ª série, até se afastar definitivamente no 1º semestre da faculdade de Física. Embora não tenha optado pela carreira acadêmica, acabou produzindo um legado intelectual muito substancial, com numerosas inovações. 

Hindemburg é autor de mais de 1700 artigos em diferentes campos do conhecimento, inclusive com propostas inovadoras de considerável relevância em Investimentos, Psicometria, Xadrez, Astrometria, Astrofísica, Ciência Cognitiva, Filosofia, Teologia, Antropometria, Biomedicina, Gerenciamento de riscos, Data Science, entre outras. Hindemburg também é detentor de alguns recordes mundiais em atividades intelectuais, um dos quais está registrado no Guinness Book, edição de 1998, páginas 110-111.

Guinness.JPG

 

Veja também, no final dessa página, uma lista de reportagens e entrevistas nas quais há vídeos e fotos desse recorde, com informações mais detalhadas a respeito. Hindemburg também é detentor de outros recordes intelectuais, citados ao final dessa página.

Desde muito criança, apresentou memória excepcional para números e para Xadrez, característica que herdou dos pais, já que ambos apresentavam hipermnésia. Anos mais tarde, esta característica contribuiu para que quebrasse um recorde mundial em Xadrez às cegas, bem como contribuiu para reconhecer e organizar grande número de padrões que ocorrem no Mercado Financeiro, padrões que indicam assimetrias nas probabilidades de que as cotações sigam em determinada direção e, com isso, utilizou estes padrões no desenvolvimento do sistema de Inteligência Artificial Saturno V, com o qual conquistou mais de 20 prêmios internacionais de alta performance em rankings de fundos como Preqin, Barclay's Hedge e IASG.
 
Entre 1999 e 2006, mesmo sem qualquer formação acadêmica, Hindemburg foi um participante destacado nos fóruns privativos e grupos de debates das principais comunidades para superdotados e gênios, a ponto de receber convites para se tornar membro honorário em algumas das sociedades de elevado QI mais exclusivas do mundo, em vários países nos 5 continentes, sempre com isenção de todas as taxas e dispensa dos exames de admissão, apenas em troca de que participasse ativamente dos grupos, compartilhando suas opiniões e conhecimentos. Veja o que dizem sobre Hindemburg alguns dos frequentadores destes grupos.

Hindemburg é fundador de Sigma Society, uma associação cultural multidisciplinar para pessoas com QI acima de 132 pela escala Stanford-Binet, semelhante à Mensa. Também é fundador de Sigma VI, para pessoas com QI acima de 196 pela escala Stanford-Binet. É autor do Sigma Test e do Sigma Test VI. O Sigma Test foi traduzido para 14 idiomas, foi publicado em 7 revistas especializadas e é aceito como critério para admissão em várias sociedades de alto QI em diversos países em 5 continentes. O Sigma Test é considerado um dos exames cognitivos mais difíceis e mais criativos que existem. Veja aqui a matéria de Marco Ripà (gênio do ano em 2014, região - Europa) sobre o Sigma Test e veja as opiniões de outros proeminentes intelectuais sobre este teste neste link: depoimentos. Veja também o artigo escrito por Albert Frank sobre o Sigma Test e publicado na revista Papyrus”: Albert foi professor de Lógica e Matemática na Universidade de Bruxelas, referee internacional em várias revistas científicas, foi campeão de Xadrez de Bruxelas e campeão veterano da Bélgica.

O teto de dificuldade do Sigma Test foi estimado em cerca de 203 e do Sigma Test VI foi estimado em 226. Esses valores foram "corroborados" pela comparação de escores de pessoas que fizeram o Sigma Test e fizeram também outros high range IQ tests, tais como Mega Test, Titan Test, Test for Genius, Logima Stricta e similares, porém os tetos desses testes estão inflados, de modo que os escores do Sigma Test também ficaram contaminados por essas distorções. Em 2003 foi feita uma tentativa de revisar esses escores com base no método de normatização que eu havia proposto em novembro de 2000. O resultado foi um artigo no qual apresentei um método para determinar QIs numa escala de proporção, gerando um novo conceito de escore, o QI de potencial (pIQ), que respeita a distribuição verdadeira dos escores, em vez de tentar forçar os escores a se distribuírem como uma gaussiana. Isso preserva a isotropia da escala e tem numerosas vantagens em comparação aos métodos tradicionais de avaliação. Além disso, também deduzi uma equação para converter pIQ em rIQ e vice-versa, desse modo é possível calcular o nível de raridade verdadeiro para os QIs medidos pelos high range IQ tests, sem as distorções fantasiosas que são observadas na maioria desses testes. Para compreender melhor a diferença entre as normas habitualmente adotadas pelos high range IQ tests e os valores corretos que deveriam ter essas normas, é recomendável ler o artigo "Uma escala de proporção para testes cognitivos".

 

A tabela a seguir mostra algumas informações estatísticas sobre a distribuição teórica de cada faixa de QI, com base na escala Stanford-Binet (com média=100 e desvio padrão=16). É importante destacar que embora a distribuição gaussiana seja uma boa aproximação para a distribuição real dos escores no intervalo entre -2 e +2 desvios padrão, quando se considera escores acima de +2 e principalmente acima de +2,5 desvios padrão, as porcentagens observadas empiricamente são substancialmente maiores do que as previstas pela distribuição teórica. Para compreender melhor esse processo, novamente é recomendável ler o artigo "Uma escala de proporção para testes cognitivose os links citados, especialmente a norma de 2003 do Sigma Test. 
 

QIs.png

 

No Xadrez, Hindemburg foi campeão invicto no Torneio Internacional Master Class ICCF 1999, campeão invicto no Grupo 1 do Zonal Sulamericano ICCF 1999, classificou-se para representar o Brasil na semifinal do Campeonato Mundial ICCF, foi convidado por Mario Ceteras, capitão da equipe “Potaissa Turda”, da Romênia, para representar aquele país na Liga Europeia dos Campeões ICCF de 2002 e foi indicado pelo Campeão Brasileiro e Grande Mestre Internacional Salvador Homce De Cresce para representar o Brasil na Olimpíada de Xadrez da ICCF de 2004. É autor de mais de 450 trabalhos de análises e comentários de jogos de Xadrez publicados nos principais periódicos internacionais, entre os quais o Sahovski Informator, Encyclopedia of Chess Openings, Chess Base Magazine, La Mecca Encyclopedia of Chess, Super Ajedrez Hispano Americano e Mega Database.

 

Veja também artigo do Mestre Internacional Junior Tay sobre Hindemburg Melão Jr., publicado na revista Correspondence Chess News, volume 50, páginas 41 a 50: acesso aqui.  


Em 2010, Hindemburg desenvolveu um método para medida de performance ajustada ao risco em investimentos, que apresenta vantagens importantes em comparação aos métodos desenvolvidos por William Sharpe (Nobel de Economia em 1990) e Franco Modigliani (Nobel de Economia em 1985). A proposta foi apresentada no Congresso Nacional de Robôs de Investimentos de 2015. Em 2020, em matéria na revista da Empiricus, que reúne a mais consagrada equipe de analistas de investimentos do país, o método desenvolvido por Hindemburg foi considerado superior ao de William Sharpe, assim como ao de qualquer outro método existente para essa finalidade. 

Em 2002, Hindemburg criou um método para determinar o número de hipervolumes gerados por hiperplanos que intersectem polítopos regulares com qualquer número de dimensões. Um caso particular desse problema foi publicado na forma de questão do Sigma Test VI.

Em 2003, Hindemburg desenvolveu  um novo método para cálculo de IMC, superior ao método tradicional. O trabalho foi publicado inicialmente na forma de artigo, no site de Sigma Society, e pode ser acessado aqui. Mas na época não havia sido aferida empiricamente a dimensão fractal do corpo humano; utilizava uma estimativa em torno de 2,53 para a dimensão e 3,06 para o expoente da fórmula. Em 2008, o artigo foi ampliado e publicado na forma de livro (ISBN 978-85-613-0618-2). Em 2013, Nick Trefethen, diretor do Dep. de Análise Numérica na Universidade de Oxford, aparentemente sem ter conhecimento do livro de Hindemburg, publicou um trabalho basicamente igual à primeira metade do artigo de 2003, com o detalhe que Dr. Trefethen usou para o expoente da fórmula o mesmo valor que estimou para a dimensão fractal (2,5), o que Hindemburg considerava ser uma abordagem inadequada (incompleta), pois não leva em consideração a resistência dos materiais. Em 2021, Hindemburg fez um estudo com diversas bases de dados com pesos e alturas de mais de 300.000 pessoas, e o valor empírico encontrado para o expoente da fórmula foi 3,144, corroborando a abordagem de seu artigo original de 2003 estava correta, bem como seu livro de 2008, que sugeria um expoente de 3,06, bem diferente da dimensão fractal em torno de 2,53 ou 2,5 (indicada por Nick Trefethen) ou o valor tradicional 2,00, gravemente incorreto, embora seja recomendado pela Organização Mundial da Saúde. 

O artigo original de 2003 pode ser acessado em:

https://web.archive.org/web/20050309151715/http://www.sigmasociety.com/erros_e_acertos/sigma_erros-e-acertos1.asp

 

O registro do livro de 2008 pode ser encontrado no site da Biblioteca Nacional

 

O livro de 2021 está disponível em “IMCH – Análise matemática dos erros da fórmula de IMC.
 

Durante a análise dos dados do NHANES, NCBI e outros grandes bancos de dados de Saúde, Hindemburg deparou com numerosos erros, inclusive indícios de fraudes, o que constitui um problema muito grave, já que estes bancos de dados são citados em mais de 160.000 artigos, e os autores destes artigos assumem estes dados como confiáveis. Por isso decidiu dedicar uma parte considerável do livro à análise desse problema. Os erros foram denunciados, mas nenhuma providência foi tomada.

 

Em 2002, Hindemburg também encontrou a (provável) melhor solução para o Shannon Number. Trata-se de um problema de Análise Combinatória que permanece insolúvel há mais de 500 anos (embora tenha o nome “número de Shannon” há apenas 70 anos). Consiste na determinação do número de posições possíveis numa partida de Xadrez. Há diversos trabalhos nesta área e frequentemente ocorrem avanços, com aproximações cada vez melhores. Em 2014, em artigo publicado no International Journal of Game Theory, Stefan Steinerberger, professor de Matemática na Universidade de Yale, publicou uma solução que até o momento é a que mais se aproxima da apresentada por Hindemburg em 2002.

Autor de um aprimoramento no método usado pela NASA e pela ESA para o cálculo de paralaxes estelares, em artigo publicado em 2003, que pode ser acessado aqui. O então diretor técnico do planetário do Ibirapuera e pesquisador no IAG-USP Ednilson Oliveira examinou a proposta, achou interessante e repassou a alguns especialistas brasileiros em Astrometria, mas não deram importância. Ironicamente, em 2016, um grupo de pesquisadores de 15 diferentes universidades de vários países, publicou um artigo conjunto com uma proposta basicamente igual, e o artigo destes pesquisadores está disponível para download na página de Kepler de Souza Oliveira Filho, que foi presidente da Sociedade Astronômica Brasileira e uma das pessoas que “examinou” o artigo de Hindemburg 13 anos antes, mas na época não demonstrou interesse. A lista completa dos coautores do artigo publicado em 2016, que chegaram a basicamente os mesmos resultados que Hindemburg havia publicado sozinho em 2003, é apresentada a seguir:

Basílio X. Santiago1,2, Dorothée E. Brauer3, Friedrich Anders3,2, Cristina Chiappini3,2, Anna B. Queiroz1,2,
Léo Girardi4,2, Helio J. Rocha-Pinto5,2, Eduardo Balbinot1,2, Luiz N. da Costa6,2, Marcio A.G. Maia6,2,
Mathias Schultheis7, Matthias Steinmetz3, Andrea Miglio8, Josefina Montalbán9, Donald P. Schneider10,11,
Timothy C. Beers12, Peter M. Frinchaboy13, Young Sun Lee14, and Gail Zasowski15


1 Instituto de Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Caixa Postal 15051, 91501-970 Porto Alegre, Brazil
2 Laboratório Interinstitucional de e-Astronomia − LIneA, Rua Gal. José Cristino 77, 20921-400 Rio de Janeiro, Brazil
3 Leibniz-Institut für Astrophysik Potsdam (AIP), An der Sternwarte 16, 14482 Potsdam, Germany
4 Osservatorio Astronomico di Padova − INAF, Vicolo dell’Osservatorio 5, 35122 Padova, Italy
5 Universidade Federal do Rio de Janeiro, Observatório do Valongo, Ladeira do Pedro Antônio 43, 20080-090 Rio de Janeiro, Brazil
6 Observatório Nacional, Rua Gal. José Cristino 77, 20921-400 Rio de Janeiro, Brazil
7 Observatoire de la Côte d’Azur, Laboratoire Lagrange, CNRS UMR 7923, BP 4229, 06304 Nice Cedex, France
8 School of Physics and Astronomy, University of Birmingham, Edgbaston, Birmingham, B15 2TT, UK
9 Institut d’Astrophysique et de Géophysique, Allée du 6 août, 17 − Bât. B5c, 4000 Liège 1 (Sart-Tilman), Belgium
10 Department of Astronomy and Astrophysics, The Pennsylvania State University, University Park, PA 16802, USA
11 Institute for Gravitation and the Cosmos, The Pennsylvania State University, University Park, PA 16802, USA
12 Department of Physics and JINA Center for the Evolution of the Elements, University of Notre Dame, Notre Dame, IN 46556, USA
13 Department of Physics & Astronomy, Texas Christian University, TCU Box 298840, Fort Worth, TX 76129, USA
14 Department of Astronomy and Space Science, Chungnam National University, 34134 Daejeon, Republic of Korea
15 Dept. of Physics and Astronomy, Johns Hopkins University, Baltimore, MD 21210, USA

Atualmente os trabalhos de mais alto nível utilizam este método, inclusive o projeto GAIA DR2, o mais importante da atualidade em Astrometria.

Em 2015, Hindemburg escreveu um artigo no qual defende a impossibilidade de existirem buracos-negros. O texto está acessível na área privativa, em nosso repositório, para quem tiver interesse, e será parte de um de seus próximos livros. 

Em 2001, Hindemburg propôs aprimoramentos na Teoria da Evolução de Darwin e Wallace, com aplicações no campo da Inteligência Artificial, especialmente no processo de evolução de Algoritmos Genéticos. A mesma ideia havia sido desenvolvida independentemente por José Antonio Francisco, aproximadamente na mesma época. De modo resumido, a ideia é de que se em algum momento os organismos desenvolvessem mecanismos por meio dos quais pudessem registrar ao longo da vida quais de suas características são mais úteis e, assim, selecionar quais características devem ser prioritariamente transmitidas, em vez de as transmitir aleatoriamente, esses organismos teriam uma vantagem competitiva sobre os demais e com o passar das gerações, todos os organismos sobreviventes, ou a franca maioria, transmitiria seus caracteres dessa maneira, em vez de as transmitir de forma aleatória. Algumas pesquisas divulgadas nos anos seguintes apresentaram resultados que podem ser interpretados como corroboração dessa ideia. 

Em 2013, Hindemburg descreveu detalhadamente um método que havia concebido anos antes, por meio do qual seria possível calcular o rating de jogadores de Xadrez com base em apenas 1 partida, ou até mesmo com base em fragmentos de uma partida. Com esse método, também não havia necessidade de uma densa rede de partidas conectando vários jogadores. Dois amigos programadores, André Gâmbaro e Victor Gabriel, ofereceram-se para ajudar na implementação do método, mas o trabalho não chegou a ser concluído. Em 2020 Hindemburg decidiu estudar programação e realizar o projeto sozinho, que foi concluído em 2021 e publicado em 2022 com o título "Xadrez, os 2022 melhores de todos os tempos, dois novos sistemas de rating". Com esse trabalho, Hindemburg solucionou um problema de Teoria da Medida que vinha sendo investigado há mais de 15 anos por eminentes matemáticos e cientistas da computação de várias grandes universidades. 

Em artigo de 2015, Hindemburg mostrou que o paradoxo de Moravec é um pseudoparadoxo. O texto pode ser acessado em:

 https://web.archive.org/web/20160506140313/http://www.saturnov.com/artigos/416-pseudo-paradoxo-de-moravec 

Também em 2015, Hindemburg mostrou que o método recomendado pelo Nobel de Economia Harry Markowitz, para otimização de portfolios, apresenta algumas falhas, e propôs alguns aprimoramentos que tornam o método de Markowitz mais eficiente e mais seguro. O texto esteve disponível no mesmo site do Saturno V indicado no link acima, porém na área privativa, e não está acessível via Weyback Machine

Em 2019, Hindemburg publicou um artigo mostrando que o "paradoxo de Olbers", que tem intrigado os cientistas há mais de 400 anos, é na verdade um pseudoparadoxo, isto é, não existe a contradição que se suponha haver, tornando desnecessária uma refutação científica porque há uma inconsistência interna na formulação do paradoxo. O texto pode ser encontrado em https://www.saturnov.org/olbers. Embora seja uma proposta muito interessante e muito original, há controvérsias sobre os argumentos de Hindemburg sobre isso estarem corretos. Braulio Medina, Menção Honrosa em Olimpíada Brasileira da Matemática de 1994, concorda com a solução. Mas uma pessoa que se identifica apenas como "XeusMath" apresenta uma contestação sugerindo um possível argumento circular que, se estiver correta, anularia a refutação. De qualquer modo, a proposta de Hindemburg é no mínimo digna de atenção, ainda que esteja incorreta, pela engenhosidade da idade e pela originalidade da abordagem.

Em 2020, Hindemburg analisou um debate histórico entre Galileu e o eminente matemático Clavius, que, de acordo com o historiador da Ciência Prof. Dr. Roberto de Andrade Martins, Clavius deixou Galileu sem resposta adequada. A questão é extremamente difícil e complexa, mas Hindemburg encontrou uma solução engenhosa utilizando exclusivamente os recursos e conhecimentos disponíveis na época de Galileu, mostrando que o ponto de vista de Galileu era correto, embora Galileu não tivesse encontrado argumentos que sustentassem a sua tese. Hindemburg publicou um artigo apresentando sua solução e posteriormente o transformou em questão do Moon Test.

Em artigo publicado em 2021 com o título "O mito da cointegração", Hindemburg inicia o texto com as seguintes palavras "Neste artigo discutiremos algumas das falhas cometidas pelo ganhador do prêmio Nobel de Economia de 2003, Clive William John Granger, em relação ao uso do conceito de cointegração, falhas estas que têm sido repetidas inadvertidamente pelos principais economistas e gestores do mundo nos últimos 40 anos. Também apresentaremos a maneira correta de como se deve lidar com essa questão." Também acessível em LinkedIn e Facebook, com as respectivas interações de estatísticos, matemáticos, economistas e pesquisadores de diferentes áreas científicas. 

Além Em seus mais de 1700 artigos e mais de 3900 respostas no Quora, Hindemburg apresenta algumas dezenas de outras inovações em diferentes áreas, diversas refutações, correções e aprimoramentos em artigos e livros de proeminentes cientistas, filósofos e outros intelectuais. Uma seleção de conteúdos pode ser acessada aqui.

Algumas fontes afirmam que em 1979, na revista Omni, o Nobel de Física Richard Feynman foi considerado a pessoa mais inteligente do mundo, mas na própria revista Omni não está explícita essa informação. No Quora, em 2021, Hindemburg foi comparado a Feynman nos seguintes termos: "para mim você é uma espécie de Feyman melhorado, com um leque mais amplo de talentos e resultados extraordinários em vários deles". No fórum da International High IQ society, Hindemburg foi comparado a Leonardo Da Vinci. Em outros grupos, também foi comparado a Leonardo Da Vinci, nos seguintes termos: 

 

vinci.png

 

Em outras ocasiões, Hindemburg foi comparado a Newton, Einstein, ao personagem Sheldon Cooper, a Galileu e a Carl Sagan. 

Entre 2005 e 2007, Hindemburg publicou vários artigos sobre investimentos, desmascarando vendedores de cursos de análise técnica, e com isso criou uma lista de inimigos. Também fez declarações fortes sobre a baixa qualidade da produção científica no Brasil, que não foi bem recebida e multiplicou o número de haters que passaram a promover numerosos boicotes e perseguições. Como resultado, sua página na Wikipedia foi removida sob a alegação de que não havia documentação, que suas realizações não alcançavam o nível de "notoriedade" para os padrões da Wikipedia, foi promovida uma "votação" na qual várias pessoas apresentaram claras evidências favoráveis à manutenção da página, bem como vários argumentos irrefutáveis. Apesar disso, a decisão arbitrária dos administradores foi pela eliminação. O histórico completo da "votação" pode ser acessado aqui. Um dos argumentos a favor da manutenção foi extremamente simples: várias pessoas estão na Wikipedia "apenas" por terem algum recorde no Guinness Book, inclusive recordes em modalidades claramente inexpressivas, como "cuspe a distância" ou "mais tempo em pé". Portanto, só o recorde em Xadrez às cegas, que é uma entre as várias realizações de Hindemburg, já justificaria claramente a manutenção da página. Mas obviamente a votação não tinha a menor intenção de ser justa. O recorde no Guinness é um exemplo evidente, mas há milhares de páginas biográficas na Wikipedia nas quais os biografados são mantidos por terem apenas uma entre as centenas de realizações de Hindemburg. 

A "votação" é basicamente igual ao julgamento de Galileu, uma reunião política para prejudicar alguém por quem não se tem afeto, e as razões do desafeto são igualmente estapafúrdias. Alguns trechos do "julgamento" que foram completamente negligenciados pelos votantes: 

 

Wiki_Renato.png

Declaração de Renato P. dos Santos, Dr. Em Física pela UNESP, com dois pós doutorados em Inteligência Artificial

Postagem detalhada de João Antonio Locks Justi:

Prezados(as) moderadores(as),

Em primeiro lugar, gostaria de iniciar este voto prestando meus cumprimentos a todos que exercem esta atividade tão importante e valiosa de forma voluntária, contribuindo para que o conhecimento se torne mais acessível e para que a sociedade se torne mais informada.

Justamente por considerar a atividade de moderação da Wikipédia tão importante, julgo também que há uma responsabilidade muito grande ao se tomar certas decisões: que informações devem ou não constar em um artigo; qual a posição a ser adotada quando há divergências sobre determinada informação; quais artigos devem ser incluídos ou excluídos; entre outras. Muitas vezes estas decisões são de fato muito difíceis e, ao mesmo tempo, importantes, por isso exigem uma análise profunda e completa de todos os fatores relevantes.

Em vista a contribuir para uma decisão correta e eficaz, irei elencar pontos que considero fundamentais ao se tomar uma decisão sobre esta matéria. Levarei em conta as regras e costumes da comunidade Wikipédia brasileira e internacional, com o intuito de prover uma opinião sem vieses espúrios e com embasamento lógico.

É importante analisar os critérios de decisão sob dois ângulos: estatutário e consuetudinário. Do ponto de vista jurídico, um sistema estatutário é aquele em que as decisões são pautadas por regras previamente escritas e estabelecidas. É o caso da tradição jurídica francesa, italiana, brasileira e outras. Nestes sistemas, ao tomar uma decisão, o aspecto primordial que será levado em conta pelo juiz é o corpo de leis que rege a relação sob análise. O juiz interpretará estas leis conforme os princípios hermenêuticos do país e as aplicará ao caso concreto. Do outro lado, temos o sistema consuetudinário, no qual as decisões são pautadas pelos costumes particulares do país ou região, em especial as decisões anteriores tomadas sobre casos similares. É o caso da tradição jurídica estadounidense, inglesa e australiana. Neste sistema, quando o juiz analisa um caso, ele olha primordialmente para decisões passadas, especialmente decisões de cortes superiores sobre o mesmo tema, aplicando-as ao caso concreto.

Cada sistema tem seus pontos positivos e negativos. Os críticos do direito consuetudinário alegam comumente que ele prende o juiz obrigando-o a aplicar decisões consistentes com as decisões passadas, mesmo que ele discorde delas. Por outro lado, os críticos do direito estatutário afirmam que ele fornece menos segurança jurídica à população, uma vez que a lei escrita pode ser interpretada de forma ampla e subjetiva, dependendo dos métodos de interpretação vigentes, a partir dos quais não raro emanam decisões opostas à literalidade da lei. De fato, em muitos sistemas estatutários a interpretação literal é considerada um método hermenêutico de menor valor, em oposição a uma visão abrangente das regras e princípios vigentes. Não obstante, a realidade é que, na prática, a força da lei é menor por sua maleabilidade interpretativa, provendo menor segurança jurídica.

Levando em conta estas considerações, observamos inicialmente que as decisões na Wikipédia precisam ser tomadas levando em conta ambos aspectos. A comunidade possui regras escritas e predefinidas, que devem guiar as decisões dos editores e moderadores. Por outro lado, muitas destas regras estão abertas a interpretação ampla, sendo necessário e útil olhar para decisões semelhantes do passado, a fim de conferir um sistema justo, no qual todas as decisões sobre os mesmos aspectos materiais sejam analisadas sob o mesmo prisma. Uma das políticas oficiais da Wikipédia, nesse sentido, é “ignore todas as regras” (https://en.wikipedia.org/wiki/Wikipedia:Ignore_all_rules). Portanto, exige-se da comunidade um olhar abrangente tanto para as regras escritas quanto para a tradição, ou seja, como foram tomadas as decisões no passado, bem como uma análise da qualidade destas decisões e quais critérios poderiam melhorá-las.

Na presente decisão, trata-se da inclusão ou exclusão de um artigo sobre Hindemburg Melão Jr. A inclusão de artigos na Wikipédia apoia-se em dois pilares claros: o critério da notoriedade e não contrair “o que a Wikipédia não é” (https://en.wikipedia.org/wiki/Wikipedia:What_Wikipedia_is_not).

O critério da notoriedade é relevante pois se trata do âmago do que constitui uma enciclopédia: uma coleção de artigos que provêem informações acuradas e relevantes sobre temas notórios. As decisões de incluir e excluir artigos são em ambos casos importantes, porém num ranqueamento de prioridades, temos de observar que incluir toma prioridade sobre excluir. Se um usuário tenta encontrar informações sobre temas notórios em uma enciclopédia e ela não possui estas informações, efetivamente a enciclopédia falhou em seu principal objetivo e aspiração. A exclusão também tem o seu valor, e é um instrumento muito importante em manter a qualidade da enciclopédia, afinal um excesso de artigos irrelevantes iria diminuir a eficácia e eficiência da comunidade em manter padrões adequados de edição nestes artigos, bem como atrapalharia ou até preveniria a adequada moderação de todos os tópicos, pelo excesso de informações que teriam de passar por esse crivo.

Analisar notoriedade não é uma tarefa trivial, pois há diversos critérios que podem ser utilizadas para aferir se determinado tema é notório ou não. Por exemplo, enquanto a esmagadora maioria da comunidade concordaria que “Albert Einstein” e “Brasil” são temas notórios, talvez uma parte grande da comunidade não interpretaria que “Lee Jae-Dong” é um tema notório. Embora o coreano possua uma página na Wikipédia inglesa, sua notoriedade não é amplamente estabelecida, especialmente entre o público que não joga vídeo-games. Justamente para esses casos, o Wikipédia traz entre seus sub-critérios de notoriedade a cobertura substantiva do tema por fontes secundárias, de fontes reputadas e independentes.

No caso concreto de Hindemburg Melão Jr., alega-se notoriedade em algumas áreas diferentes, entre xadrez, investimentos e ciência em geral. Havendo notoriedade em uma delas, seguindo os critérios estatutários e consuetudinários da Wikipédia, então faz-se necessário manter a existência do artigo.

No campo do xadrez, a alegação de notoriedade se substancia em algumas fontes diferentes. Uma particularmente relevante é o Guinness Book, que registra um recorde mundial de autoria de Hindemburg Melão Jr. Foi aventado o argumento de que o Guinness Book contém recordes esdrúxulos, como maior unha do pé e outros, o que o desqualificaria como uma fonte que confere suficiente notoriedade a um tópico. Este argumento, contudo, não está em conformidade com a tradição da Wikipédia na aplicação de suas regras, o que indicaria, portanto, que desqualificar esta fonte utilizando este argumento seria arbitrário. A Wikipédia inglesa, por exemplo, confere notoriedade a diversas pessoas exclusivamente por recordes, por conseguinte aceitando artigos sobre elas, como por exemplo uma lista extensa de pessoas mais altas do mundo (“List of tallest people”), mais gordas (“List of heaviest people”), mais velhas, mais baixas, além de diversas outras pessoas que são reconhecidas quase que exclusivamente por seus recordes, muitas vezes em atividades regionais, como campeonatos de cricket na Índia ou Rugby na Austrália. No caso de Melão Jr., em oposição aos casos supracitados, o recorde é apenas um dentre vários aspectos que o confere notoriedade, portanto não se está argumentando que o artigo deve ser mantido no ar exclusivamente pelo recorde, mas sim que há casos na Wikipédia inglesa e em outros idiomas em que o recorde é suficiente para conferir notoriedade, portanto mesmo que hipoteticamente houvesse apenas este fato, já seria consistente com as demais decisões da moderação da Wikipédia que a página se mantivesse no ar.

Analisando a tradição da Wikipédia sobre este tema, vemos que Marylin Vos Savant, por exemplo, possui um artigo exclusivamente por sua inclusão no Guinness Book nos anos 80 na categoria “maior Q.I.”, sendo que esta categoria foi posteriormente eliminada. Todas as outras fontes e fatos sobre Marylin são auto-publicadas, em suas colunas em jornais e revistas. Ao incluí-la em decorrência de seu recorde, torna-se incompatível e injusto não admitir o recorde de Melão Jr., em especialmente considerando que há um método objetivo para aferir a acurácia do resultado que levou ao seu recorde (as partidas de xadrez foram presenciadas e gravadas por diversas pessoas), enquanto o escore de Vos Savant foi auferido em um exame incompatível com o nível alegado de Q.I., o que indica baixa fidedignidade do seu registro de recorde.

Então embora nem todo recorde seja digno de notoriedade, como o caso da maior unha do pé, nota-se que recordes relacionados a atividades cognitivas, esportivas ou que em geral indicam talento do recipiente são extremamente bem recebidos pela Wikipédia inglesa e global, presumindo-se que por si já conferem notoriedade, sendo coerente com a tradição da Wikipédia oferecer o mesmo tratamento ao recorde mundial constante do artigo em discussão.

No caso de Melão Jr., o recorde em xadrez às cegas não se trata de uma atividade isolada nesta área. Melão é um reconhecido enxadrista, tanto como prático e teórico. A inclusão de suas análises em Sahovski Informator, bem como a premiação como uma das 10 melhores novidades teóricas, com um voto positivo vindo de um campeão mundial (Viswanathan Anand), demonstra mais uma vez sua relevância e notoriedade no xadrez. Devemos lembrar, de modo auxiliar, que entre enxadristas, especialmente os interessados pela modalidade às cegas, não há dúvida da relevância de Melão Jr. nesta área. O uso de fontes secundárias confiáveis acaba sendo uma heurística para permitir que pessoas de diferentes áreas e com diferentes níveis de conhecimento identifiquem quem é notório em áreas específicas, quando o julgador não possui conhecimento suficiente na área para fazê-lo independentemente. Para chegar ao mesmo fim, podemos analisar diretamente os comentários de quem conhece a área, para os quais é irrefutável a notoriedade de Melão Jr. em xadrez, especialmente postal e às cegas.

Além destas duas principais fontes, há uma grande variedade de outras citações e reconhecimentos em publicações, de que já trataram os comentários favoráveis anteriores. O fato é que, seguindo as regras e costumes da Wikipédia, apenas o recorde já garantiria a inclusão de Melão Jr., e o reconhecimento da Sahovski Informator não deixaria dúvidas em relação à sua relevância para a esmagadora maioria da comunidade Wikipédia que se prestasse a analisar o caso com seriedade.

Para colocar o prego no túmulo da tese de que Melão Jr. não possuiria notoriedade em xadrez, temos a sua participação em matérias de nível nacional, em um dos programas de maior audiência da TV brasileira, o Fantástico, em exibição desde 1973, no qual figura em matéria sobre Q.I., expondo também sua proeza como enxadrista. Temos então uma evidência adicional de notoriedade, segundo os critérios da Wikipédia, de uma fonte independente e substantiva, pondo fim a esta discussão.

Para se ater aos pontos em que há ampla evidência de notoriedade, que justifica o presente voto de acordo com os critérios objetivos e os costumes da Wikipédia, apresentamos também o trabalho enquanto desenvolvedor do software de inteligência artificial para o mercado financeiro Saturno V. Neste ponto é necessário expor uma particularidade que só conhece quem tem alguma familiaridade com a área de investimentos: o nível de regulação nesta área é tremendo. A tal ponto que a divulgação de certas informações em fóruns públicos ou outros sites acessíveis ao público em geral pode ensejar questionamentos por parte das entidades reguladoras envolvidas. Por isso, grande parte da evidência em relação à notoriedade do Saturno V não pode ser publicada como fonte. A princípio, isso poderia parecer um óbice à utilização destas atividades para fundamentar a posição de manter o artigo. Porém, uma breve análise mostra que não é o caso. Vejamos: os fundos de grandes gestores, como George Soros e James Harris Simons, também são privativos, inclusive fechados a investidores externos, e não publicam informações ao público geral. Mesmo assim, a Wikipédia inglesa aceita e consta estas informações nas páginas respectivas destas pessoas. No caso de Melão Jr., não havendo acesso direto aos 17 prêmios recebidos pela performance de seu sistema, podemos no entanto citar a participação em Shark Tank para corroborar este item, que é uma fonte independente, bem como o convite para ser palestrante no Congresso Nacional de Robôs.

Poderíamos prosseguir ainda por diversos parágrafos comentando sobre outras áreas nas quais Melão Jr. teve impacto relevante. É o autor do Sigma Teste (e a Nova Norma do Sigma Teste), cuja notoriedade na área de alto Q.I. pode ser demonstrada pelas sociedades que o aceitam para admissão: Pars, Platinum, Glia, Sigma, entre outras. Apontamos neste ponto que Ronald K. Hoeflin, criador de testes de Q.I., também possui uma página na Wikipédia inglesa, o que indica que o Sigma Teste isolado já poderia conferir a inclusão de Melão Jr., em coerência com o artigo sobre Hoeflin. Podemos citar também a publicação do livro “IMC na Balança”, as publicações no âmbito de Sigma Society e Saturno V, entre diversos outros itens que já foram expostos em comentários anteriores, razão pela qual não os exporemos novamente.

A conclusão inevitável é que Melão Jr. deveria necessariamente ser incluído na Wikipédia por vários fatores isolados, pois estes já conferem suficiente notoriedade por si só. Conjugados todos os fatores notórios, torna-se impraticável defender que Melão Jr. não seja incluído, exceto para aqueles que não se importam com a realidade, mas sim com uma vendeta pessoal contra o tema deste artigo.

A página da Wikipédia de fato precisaria de melhorias. Não obstante, a reação de tentar excluí-la não é compatível com o fato de que nem todos os padrões estilísticos da Wikipédia estão sendo seguidos. A resposta correta a este fato seria indicar onde pode-se melhorar o artigo, para que os interessados possam fazê-lo de forma profícua.

Tendo em vista o exposto acima, dou um voto inequívoco por  Manter, pedindo respeitosamente aos moderados que analisem todos os pontos acima com cuidado e rigor, tomando uma decisão para o bem da Wikipédia, para o bem da ciência e para o bem do conhecimento.

Esta (acima) foi a segunda postagem de João Antonio nesse debate. Não há como resumir aqui o quão ridícula, covarde e tendenciosa foi essa "votação", uma versão moderna do antigo tribunal do Santo Ofício, no qual um pequeno grupo de donos da verdade impõe tudo que desejam, sem margem para argumentos nem fatos contrários àquilo que eles gostariam que fosse verdade. A única maneira de compreender o que se passou nesse "debate" vergonhoso é lendo integralmente o registro das conversas neste link:

em https://pt.wikipedia.org/wiki/Wikip%C3%A9dia:P%C3%A1ginas_para_eliminar/Hindemburg_Mel%C3%A3o_Jr.

 

Numa das postagens no Quora, Hindemburg comenta sobre essa perseguição: 

 https://pt.quora.com/Voc%C3%AA-alcan%C3%A7ou-pagamento-e-reconhecimento-por-m%C3%AAs-ano-de-forma-limpa-Ou-precisou-derrubar-outra-gente-financeiramente-e-emocionalmente/answer/Hindemburg-Melao-Jr

"Quando tomei contato com esse assunto da "suposta" perseguição ao Hindemburg, em 1999, minha primeira sensação foi de que Hindemburg seria mais um dos muitos malucos que se acham injustiçados, os "gênios incompreendidos", que na verdade não passam de paranoicos com mania de perseguição. Porém depois de examinar profundamente todos os detalhes, torna-se evidente que se trata de um problema real, uma rixa pessoal de algumas pessoas, que nunca se identificam, mas fazem tudo que podem para prejudicá-lo das mais diversas formas. O texto do link acima é uma síntese clara desse problema, uma doença social que aflige um grupo de psicopatas que se escondem por trás de um anonimato para promover suas perseguições covardes, e que durante décadas tem prejudicado uma das mentes mais prodigiosas da história, um caso raríssimo no mundo com múltiplos talentos para áreas completamente distintas, e notável em todas elas. Em qualquer país sério do mundo, Hindemburg seria celebrado pela mídia e pela comunidade acadêmica, por suas prodigiosas realizações em tão variados campos do conhecimento. Mas no Brasil ele é perseguido covardemente e impunemente, sem que nenhuma providência seja tomada pelas autoridades. No trecho final do link acima, Hindemburg cita a frase “O que mais me preocupa não é o grito dos maus, mas sim o silêncio dos bons”. E vai além, discutindo os pontos corretos e incorretos dessa afirmação. Mas os detalhes não importam tanto. O importante é que a inércia dos que se acham boas pessoas, mas assistem à covardia e à injustiça sem se mobilizar para combatê-la, não são melhores do que aqueles que praticam essas covardias. Essa frase “O que mais me preocupa não é o grito dos maus, mas sim o silêncio dos bons” deveria ecoar continuamente na cabeça e refletir no coração de toda pessoa verdadeiramente decente, e fazer com que ela tome uma atitude concreta cada vez que ela depare com alguma injustiça. E o caso de Hindemburg Melão Jr. é uma injustiça comparável ao caso de Galileu, uma pessoa com temperamento difícil, mas com ideias brilhantes, profundas, inovadores, corretas e justas, sendo perseguido por grupos de fanáticos." Alessandro P.

"(...) Quando eu o conheci, em 1999, eu pensava em máquina da invisibilidade como ficção, mas 10 anos antes ele já havia encontrado uma solução científica, racional, para transformar isso em realidade. Li todo o conteúdo escrito produzido pelo Melão, assisti a todos os seus vídeos, e posso afirmar, com absoluta segurança, que qualquer pessoa culta e sensata que tenha lido seus artigos (pelo menos 100 dos mais de 900) concordará comigo que ele possui uma das mentes mais criativas e profundas que já surgiram nesse planeta. O alcance de suas ideias é absolutamente fora do comum, transcende aos limites de nosso tempo, e talvez só daqui 200 ou 300 anos é que todas as suas ideias poderão ser plenamente apreciadas e valorizadas, assim como aconteceu com Da Vinci e outros visionários. No entanto, algumas de suas ideias já podem ser apreciadas desde já, por nós, meros mortais. Basta ler com atenção e apreciar o que ele tem a nos ensinar. Não devemos ter a pretensão de esperar compreender tudo que ele diz, pois está fora do alcance da maioria, mas o pouco de sua sabedoria que pudermos saborear já representa um tesouro de valor inestimável."  Ricardo Luis Gerber (Nota: Ricardo se refere a 900 artigos porque o texto é de 2011, embora o número correto naquela época já fosse maior que 1200)

 

260624624_4635197889862494_1990389954175722914_n.jpg

 

Texto de Thiago Francisco, postado no Quora. O "Hick Nax", a quem ele se refere, é o apelido de Hindemburg Melão Jr. no Facebook.

Veja mais opiniões e declarações sobre Hindemburg nos depoimentos do LinkedIn, nos prefácios do livro IMCH e nessa compilação.

Prêmios e distinções:  

 

  • Recordista mundial de mate anunciado mais longo em Xadrez Epistolar, publicado no jornal de Pi Society (Grécia-França) em 2001 e na Revista Brasileira de Xadrez Postal. 

  • Convidado pelo presidente de Pars Society, Baran Yönter, para ser membro honorário nesta instituição, com isenção de todas as taxas e dispensa de qualquer exame para admissão. Pars Society é uma das sociedades de elevado QI mais exclusivas do mundo, para pessoas com escore acima de 180 em testes padronizados pela escala Stanford-Binet ou acima de 220 em testes padronizados pela escala Cattell, equivalente ao percentil teórico de 99,99997% (cut-off 1 em 3.500.000). Lista de membros de Pars Society.

  • Convidado pelos presidentes e diretores de diversas outras sociedades de elevado QI para ser membro honorário, sócio vitalício, sócio benemérito etc., inclusive World Intelligence Network, ISIS, Etranger Prometheus, Ludomind, Creative Genius Society, International High IQ Society, High IQ Society for Humanity etc. Esta última consistia num projeto de apoio a crianças carentes da África, coordenado por David Udbjørg, em que Hindemburg foi co-patrocinador com doações periódicas durante os anos em que ela se manteve ativa. HIQSH chegou a beneficiar mais de 500 crianças com diversos projetos educacionais, culturais e científicos. Posteriormente, em 2004, mudou de nome para “CAILI”, mas infelizmente acabou sendo desativada por falta de recursos. 

https://web.archive.org/web/20100113091913/http://www.sigmasociety.com/diretoria/sigma_diretoria.asp

https://web.archive.org/web/20030604121121/http://hiqh.org:80/people.html

https://web.archive.org/web/20070819164213/http://www.etienne.nu/isis/members.htm

https://web.archive.org/web/20090211194804/http://gui.pro.br/artigos/testesdeqi.htm

https://web.archive.org/web/20040224233856/http://www.vademecum.com.br/sapiens/links2.htm

https://www.iqsociety.org/iq-societies/iq-societies-inc-iq-required/  
https://iqsociety.gr/links/

Apresentação de trabalhos em congressos, simpósios, palestras: 

  • Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – Apresentação de um método calcular fatoriais de quaisquer números reais (inclusive não-inteiros e negativos) que havia desenvolvido em 1991. A solução de Hindemburg chega a uma fórmula cujos dois primeiros termos são iguais aos da fórmula de Stirling, mas por um caminho totalmente diferente, e sem utilizar Cálculo. Isso coloca essa solução num nível superior à de De Moivre, mas inferior à de Stirling. Em seguida, Hindemburg utilizou um recurso matemático que conduz a um resultado exato, superior ao método de Stirling, mas com elevado custo de processamento. Hindemburg também encontrou vários pequenos detalhes relevantes, inclusive o complemento da constante de Euler (0,5772156649...). O trabalho foi muito elogiado pelo Diretor do Departamento de Física Matemática da USP, Prof. Dr. MS6 Antonio Fernando Ribeiro de Toledo Piza. Em 2001, Hindemburg desenvolveu mais um método para calcular o fatorial de qualquer real, mas que converge mais lentamente. 

  • Secretaria da Educação de Araçariguama – palestra sobre “A importância do método científico no processo de aquisição do conhecimento”. 

  • Faculdade Metodista – palestra sobre “Heurística aplicada em processos decisórios politômicos” (a mesma palestra foi ministrada em outras instituições de ensino).

  • EMEI Profa. Liani Maria Barbosa dos Santos – palestra sobre “O cometa de Halley”, ministrada aos 13 anos de idade, para o corpo docente e discente da instituição.

  • Secretaria da Educação de Bom Jesus dos Perdões – palestra sobre Teoria de Resposta ao Item para normatização de instrumentos de avaliação pedagógica.

  • Secretaria da Educação de Bom Jesus dos Perdões – palestra sobre Xadrez como instrumento pedagógico.

  • G.C. Brasil – palestra sobre “Análise comparativa entre brainstorming heurístico e randômico”.

 

Entrevistas, reportagens e outros materiais em vídeo: 

Entrevista de Hindemburg Melão Jr. para o canal “Clube de Xadrez On-line”, sobre vários temas (NEW)

Reportagem no Fantástico sobre inteligência e QI com participação de Hindemburg Melão Jr.

Reportagem na TV Vanguarda sobre Hindemburg Melão Jr.

Marcos Ripá, sobre o Sigma Test, de Hindemburg Melão Jr. 

 

Entrevista de Hindemburg Melão Jr. para o canal “AstroNEOS” sobre revisão na idade da Grande Mancha Vermelha de Júpiter 
 

Entrevista de Hindemburg Melão Jr. para o Canal “Xadrez Online” sobre Xadrez às cegas e medidas de performance no esporte
 

Entrevista de Hindemburg Melão Jr. para o canal “Detetives do Cosmos” sobre Astrofotografia planetária 
 

Fragmentos do vídeo sobre a simultânea às cegas no CPP, com Hindemburg Melão Jr. 

Entrevista de Hindemburg Melão Jr. para Márcio Strumiello, da TV Record 

 
Entrevista de Hindemburg Melão Jr. sobre Xadrez para a revista “Conexão Professor”
https://web.archive.org/web/20100131073405/http://www.sigmasociety.com/entrevista_xadrez.htm
http://xadrezescolarbrasileiro.blogspot.com/2009/03/revista-conexao-professor-faz-materia.html

Outros vídeos selecionados: 

Seção Oráculo, sobre a existência de Deus, uma abordagem científica, por Hindemburg Melão Jr.

Seção Oráculo, a massa da Terra está aumentando? Por Hindemburg Melão Jr. 
Parte 1
Parte 2

Seção Oráculo, “inteligência” pode ser tratada como uma variável quantitativa? Por Hindemburg Melão Jr. 

Seção Oráculo, sobre telescópios, por Hindemburg Melão Jr. 

Seção Oráculo, sobre o formato da Terra, por Hindemburg Melão Jr.
Seção Oráculo, sobre buracos-negros, análise do vídeo do canal Ciência Todo Dia, por Hindemburg Melão Jr.

Ocultação de Marte pela Lua em 9/8/2020, por Hindemburg Melão Jr., com telescópio Meade 10” LX 200 GPS

Tour pela Lua, por Hindemburg Melão Jr., com telescópio Meade 10” LX 200 GPS 
Xadrez, partidas didáticas comentadas por Hindemburg Melão Jr.
Xadrez, análise de partida entre Alpha Zero e Stockfish, por Hindemburg Melão Jr. 

Artes Marciais, Nunchaku, por Hindemburg Melão Jr.

Artes Marciais, armas, por Hindemburg Melão Jr.  

Artes Marciais, Kamas, por Hindemburg Melão Jr. 

Seção Oráculo, sobre aquecimento global, por Hindemburg Melão Jr. 
Júpiter e 3 de seus satélites, com Meade LX 10” 200 GPS, por Hindemburg Melão Jr.


Entrevistas, reportagens e outros materiais escritos: 

 
Entrevista para a revista “Grafistas”, sobre vários temas relacionados a Investimentos, Ciência, vida pessoal e profissional
 
Recorde mundial de mate anunciado mais longo em simultâneas de Xadrez às cegas. Guinness Book of Records

 

“Gênios transcendentes”, entrevista para o estudo desenvolvido por John Hallenborg, sobre pessoas com QI no nível de raridade acima de 1 em 1.000.000.

https://web.archive.org/web/20100206175301/http://sigmasociety.com/iq_tv.htm

https://web.archive.org/web/20100130030625/http://www.sigmasociety.com/john_2.htm

https://web.archive.org/web/20100119073936/http://www.sigmasociety.com/entr_john_melao.htm

 

Top-10 novidades teóricas. Sahovski Informator 80 – Novidade teórica entre as 10 mais importantes do mundo no período (semestre). Primeiro brasileiro a receber esta distinção.  
Top-20 novidades teóricas. Sahovski Informator 80 – Novidade teórica entre as 20 mais importantes do mundo no período (semestre).  
Top-30 melhores partidas. Sahovski Informator 80 – Partida entre as 30 melhores do mundo no período (semestre).  
“O gênio mora ao lado”. Reportagem no jornal “O atibaiense”

Versão impressa (resumo)

Versão completa 

Um contra muitos, e sem ver!” Reportagens no jornal do CPP – simultânea às cegas no CPP. Ao todo foram 3 reportagens.

Partida de Xadrez selecionada no livro “LEARN CHESS FROM THE GREATS


Prêmios e distinções na infância e adolescência:
 
Autor de um projeto para um dispositivo óptico que chamou “máquina da invisibilidade”, e foi descrito num livro escrito em 1991 que participou de um concurso literário em 1993 e foi usado como questão 23 no Sigma Test, em 2001 (questão 34 da versão antiga). 
A descrição resumida do projeto de Hindemburg pode ser encontrada na questão 34 da versão antiga (2000) do Sigma Test em 

https://web.archive.org/web/20010202132700if_/http://www.sigmasociety.com:80/ e na questão 23 da versão publicada na revista da Prometheus Society "Gift of Fire" em 2001, na revista Mensalainen da Mensa Finlândia, na ComMensal da Mensa Bélgica, entre outras. Em 2003, o Prof. Emérito da Universidade de Tóquio Susumu Tachi desenvolveu um projeto com algumas limitações, mas compatível com a tecnologia disponível atualmente, chegando a construir um protótipo que chamou “capa da invisibilidade”. A foto abaixo mostra um dos primeiros protótipos construídos por Susumu Tachi:

tumblr_69adf6af2f196289c09e112e6595a5df_b809b90a_640.jpg

O protótipo desenvolvido pela equipe liderada por Susumu Tachi, embora fosse muito mais simples que o projeto desenvolvido por Hindemburg 10 anos antes, foi amplamente aclamado. O projeto de Himdemburg nunca chegou a contar com qualquer reconhecimento, embora esteja claramente documento.

Hindemburg também foi autor de uma “demonstração” incorreta para o Último Teorema de Fermat, em 1992. Apesar de incorreta, foi considerada interessante por acadêmicos de várias universidades. Em 2003, o professor Kaida Shi, da Zhejiang University, apresentou uma “demonstração” basicamente igual (porém unindo as arestas, em vez de unir as faces e as variedades), mas na essência a ideia é a mesma. Hindemburg percebeu que a demonstração estava incorreta alguns minutos depois e, anos mais tarde, em 2000, decidiu apresentá-la como uma curiosidade, colocando como desafio "apontar o erro na demonstração", tal como ela consta (Q26) no Sigma Test. Entretanto, o Dr. Kaida Shi não percebeu o erro e a publicou em https://arxiv.org/abs/math/0309005 como se estivesse correta. 
 
Em 1991, Hindemburg desenvolveu um método para calcular fatoriais de números não-inteiros. Este trabalho foi apresentado em 1994 na Reunião Anual da SBPC e foi muito elogiado pelo diretor do departamento de Física Matemática da USP, Dr. Antonio Fernando Ribeiro de Toledo Piza. Em 2001, Hindemburg criou um segundo método para a mesma finalidade, mas com convergência mais lenta. 

Hindemburg também conquistou alguns prêmios menores em concursos de redação, como no Desafio de Texto e Redação do Etapa, 1994. Este concurso tem abrangência nacional e é aberto a estudantes de todos os cursinhos, bem como aos que não fazem cursinho. Seria equivalente à uma Olimpíada Nacional de Redação, que ainda não existia na época. E 2º colocado no Concurso de Redação da revista Trip College, 1993.

Foi autor de um método para calcular logaritmos diferente do de Napier, aos 13 anos de idade. 
 
Deduziu alguns princípios da Geometria Fractal aos 9 anos de idade. 

Aos 5 anos de idade, quando foi promovido um evento com personagens da Disney, seus pais ficaram impressionados com sua argumentação na qual ele afirmava que os personagens não deveriam ser reais, porque eles precisariam ter nascido de outros seres similares a eles, e se eles eram os únicos daquele tipo, de quem eles teriam nascido? 

 

Aos 3 anos de idade, foi examinado com testes psicológicos e apresentou desempenho equivalente ao de crianças de 9 anos.

  

Campeão de Xadrez na E.E.P.S.G. Prof. Alvino Bittencourt 1986 e bi-campeão na 7ª Delegacia de Ensino, 1986 e 1987. 

 


Suspensão de atividades pela CVM:
 
Em 8 de janeiro de 2013, a CVM publicou a deliberação 701, impedindo Melão Jr. de exercer a função de gestor e de fazer ofertas públicas de valores mobiliários no Brasil, pelo fato de Melão não ter o certificado CGA. 
 
Em 2014 foi promovido um abaixo-assinado, baseado em carta aberta de Hindemburg Melão Jr. dirigida à CVM e à IOSCO, reivindicando a emissão de um certificado CGA em caráter extraordinário, com fundamento no Artigo 4º, §2º, da Instrução 306 da CVM e no fato de que a performance do Saturno V, criado por Hindemburg, era superior à de todos os 283 fundos brasileiros listados no ranking da Infomoney. O teor completo da carta pode ser encontrado aqui.

 
Vários gestores profissionais de diferentes países, professores universitários e pesquisadores de diferentes áreas assinaram a petição, porém não surtiu efeito. Um dos assinantes da petição foi Dany Provost, membro em Giga Society e citado em algumas das listas das 10 pessoas mais inteligentes do mundo.

Em 15 de janeiro de 2015, o presidente da confederação helvética (que exerce a função equivalente à de presidente da Suíça) fez uma declaração bombástica que afetou dramaticamente o sistema econômico mundial, provocando a maior oscilação já registrada na história do Forex, desde 1970, em que a cotação do franco suíço em relação ao dólar apresentou um aumento excepcional de volatilidade em poucos minutos, oscilando mais de 35%, levando à falência vários bancos e corretoras. Em meio a toda essa turbulência, o Saturno V sofreu uma perda menor que 4% na maioria das contas e não chegou a 7% em nenhuma das contas, mesmo operando alavancado em 100:1 e aplicando 10% de carteira, totalizando uma alavancagem efetiva de 10:1. 
 
Entre abril de 2016 e maio de 2021, o Saturno V foi utilizado na gestão de um fundo europeu e conquistou mais de 20 prêmios internacionais de alta performance em concursos e rankings da Preqin, Barclay’s Hedge e IASG.